Na Coreia do Sul, a cidade do futuro é sustentável, inteligente e conectada

Posted on 26/08/2010

1


Na segunda reportagem da série Coreia do Sul: a Ásia sustentável, conheça New Songdo City, a primeira cidade do mundo a receber um certificado de sustentabilidade, que está sendo construída a 65 quilômetros de Seul para ser um centro de excelência em tecnologia, educação e negócios.

Por Antônio Martins Neto

Na Coreia do Sul, a cidade do futuro é inteligente, conectada e sustentável.

A 65 quilômetros de Seul, New Songdo é totalmente coberta por rede sem fio, tem avenidas, parques e edifícios monitorados em tempo integral e já entrou para a história como a primeira cidade do mundo – e única até agora – a receber um certificado de sustentabilidade.

O selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) atesta, por exemplo, que a madeira usada em toda e qualquer construção é reciclada, que os edifícios públicos, comerciais e residenciais têm sistema de eficiência energética e que boa parte da água consumida em escritórios, lojas, escolas e residências é reaproveitada.

Aterro

New Songdo já tem 7.500 moradores, mas ainda está em construção, a ponto de em 2005 seus 53,4 quilômetros quadrados sequer existirem no mapa territorial da Coreia do Sul.

A área é um grande aterro – foi tomada ao mar – e desde 2007 vem sendo pavimentada e urbanizada de forma a garantir que 40% dos espaços sejam abertos.

O principal deles é o Central Park, cujos canais usam água do mar, o que economiza milhares de litros de água potável por dia, e os jardins são irrigados com água da chuva.

As precipitações são monitoradas para que o armazenamento e o uso racional da água garantam a irrigação do parque mesmo em tempos secos.

Além disso, foram plantadas apenas espécies que não demandam muita água.

Planejamento

Mas o principal compromisso em New Songdo é garantir conforto, qualidade de vida e acesso à tecnologia a uma população estimada em 253 mil pessoas – e isso emitindo apenas um terço do gás carbônico laçado hoje na atmosfera por uma cidade com o mesmo número de habitantes.

Para que a meta seja cumprida, foi construída uma ciclovia de 25 quilômetros de extensão que conecta blocos residenciais, parques, comércio, edifícios empresariais e prédios públicos.

Nos estacionamentos, foram instalados pontos de recarga para veículos elétricos e há ainda vagas especiais para os carros que poluírem menos.

“O que a gente percebe é que a intenção do governo é trabalhar com o design enraizado nessa nova filosofia,” analisa a professora Ana Paula Perftto Demarchi, do Departamento de Design da Universidade Estadual de Londrina.

A pesquisadora visitou New Songdo no final do ano passado, depois de participar de uma conferência de design na Coreia do Sul, e saiu impressionada com a rapidez com que a cidade foi levantada.

“Eles têm uma meta e vão construindo colaborativamente para cumpri-la”, observa.

Negócios

A pressa dos coreanos é proporcional às dividas que a nova cidade pode trazer ao país.

New Songdo está inserida num projeto maior, que envolve outros dois distritos econômicos localizados no município de Incheon, na Grande Seul: o centro de logística de Yeongjong e o centro cultural e de entretenimento de Cheongna.

As três zonas formam um hub de negócios com foco no mercado asiático e não por acaso estão a 15 minutos de distância do Aeroporto Internacional de Incheon – um dos principais da Ásia e considerado um dos melhores do mundo.

“O projeto tem como objetivo trazer investimento estrangeiro direto para Songdo, uma cidade que foi construída para atrair especialistas e companhias para a Coreia”, diz o professor Jorge Nelson, diretor geral da Chadwick International School.

A unidade vai abrir as portas no mês que vem para os primeiros 2.080 alunos, do infantil ao ensino médio. Setenta por cento são estrangeiros e o restante, coreanos.

“Eu penso que eles começaram com essa escola por que a melhor maneira de trazer especialistas de outras partes do mundo é oferecer uma escola internacional que possa atender às necessidades de suas famílias”.

Combinar educação, tecnologia de ponta e comunicação com o mundo é a missão de New Songdo, que terá três universidades e um parque tecnológico.

Na escola do professor Jorge Nelson, por exemplo, equipamentos de teleconferência foram instalados em quase todas as salas, até nas de educação infantil.

“A Cisco também está instalando uma versão menor nos apartamentos de Songdo City, de forma que as famílias possam acompanhar os benefícios desse tipo de tecnologia, não só numa instituição, num nível educacional, mas também num nível familiar, pois esse pode ser o telefone da nova geração”, diz Andrius Valadka, um dos diretores da Chadwick International School.

A idéia é que os pais possam falar com professores, e também com médicos e outros serviços públicos oferecidos na cidade sem precisar sair de casa (veja vídeo abaixo).

Também nos apartamentos, monitores com telas sensíveis ao toque vão permitir que o morador controle a temperatura e a luminosidade dos apartamentos.

As portas poderão ser trancadas e destrancadas por um comando no celular ou com um cartão de crédito, que vai substituir ainda a carteira de identidade.

A construção de New Songdo deve ser concluída em 2015 e consumir investimentos da ordem de 35 bilhões de dólares.

O projeto tem à frente a Gale International, do empresário norte-americano Stan Gale.

Vídeo  promocional de New Songdo (em inglês)

http://www.youtube.com/v/R9GZ9RaPcC0&rel=0&color1=0xb1b1b1&color2=0xd0d0d0&hl=pt_BR&feature=player_profilepage&fs=1

Uma cidade conectada, inteligente e verde (em inglês)
http://www.youtube.com/v/PRH47ANu05o&rel=0&color1=0xb1b1b1&color2=0xd0d0d0&hl=pt_BR&feature=player_profilepage&fs=1

Anúncios
Posted in: Cidades