Estudo calcula que, até a metade do século, 25 milhões de crianças vão passar fome em conquência do aquecimento global

Posted on 30/09/2009

0


A soja é um dos alimentos que poderão ter sua produção mundial comprometida pelo efeitos do aquecimento global

A soja é um dos alimentos que poderão ter sua produção mundial comprometida pelos efeitos do aquecimento global

As mudanças climáticas podem causar a escassez de alimentos e o aumento no preço de produtos fundamentais para a população global, como arroz, milho, trigo e soja, o que levaria a fome a 25 milhões de crianças em todo o mundo até a metade do século.

A informação, divulgada nesta quarta-feira, consta de um relatório preparado pelo Instituto de Pesquisa em Políticas Internacionais de Alimentos(IFPRI) para o Banco Mundial e o Banco de Desenvolvimento da Ásia.

Se o aquecimento global permanecer no ritmo atual, todas as regiões do mundo serão afetadas, mas as consequências serão piores no sul da Ásia e na África subsaariana, consideradas as áreas mais vulneráveis em todo o globo.

Segundo o relatório, as calorias consumidas pelas crianças em 2050 serão menores que as registradas em 2000, o que levará a um retrocesso em relação a décadas de avanço no combate a desnutrição infantil.

Esta é a primeira vez que um estudo expõe os efeitos das mudanças climáticas ao cruzar modelos matemáticos sobre o clima e a agricultura.

Embora o sofrimento seja pior nos países em desenvolvimento, os países ricos também enfrentarão dificuldades, de acordo com o trabalho.

Integrantes da tribo Maasai, povo nômade que costuma habitar o Quênia e o norte da Tanzânia, na África, continente onde a quantidade média de calorias disponível por pessoas deve cair de 2.316 para 1924, em 2050 com relação ao ano 2000

Integrantes da tribo Maasai, povo nômade que costuma habitar o Quênia e o norte da Tanzânia, na África, continente onde a quantidade média de calorias disponível por pessoas deve cair de 2.316 para 1.924 em 2050, com relação ao ano 2000

As calorias disponíveis para cada habitante de um país industrializado vai cair de 3.450, quantidade registrada no ano 2000, para 3.200, em 2050.

Nos países em desenvolvimento como um todo, a redução média de calorias por pessoa será de 2.696 para 2.410, no mesmo período.

Já na África subsaariana, onde a quantidade média de calorias por habitante era de 2.316 em 2000, será observada uma redução para 1.924 calorias.

Anúncios
Posted in: Economia