No interior da Inglaterra, o socorro vem de bicicleta

Posted on 09/09/2009

1


Socorro via bike chega em média em três minutos ao local da ocorrência

Socorro via bike chega em média em três minutos ao local da ocorrência

Antônio Martins Neto

Em Kings Lynn, cidade portuária da Inglaterra localizada a 180 km de Londres, quando um morador passa mal na rua e o serviço de emergência é chamado, o socorro não vem de ambulância, mas de bicicleta.

E costuma vir rápido.

“Nosso tempo médio no centro da cidade é de três minutos, dependendo da distância entre a unidade de atendimento e o local da ocorrência”, garante o site da Cycle Response Unit in Kings Lynn, ou Unidade Ciclística de Socorro (em tradução livre), que pertence ao National Health Service, o serviço nacional de saúde inglês.

A unidade começou a operar como projeto piloto no verão de 2007 e deu tão certo que foi implantada em caráter definitivo em fevereiro de 2008.

O trabalho começa sempre às oito da manhã e se estente até às seis da noite.

Eles percorrem as ruas da cidade, geralmente as do centro, e ficam no aguardo de algum chamado, que pode ser via rádio ou via SMS.

As ocorrências são passadas às equipes pelo serviço de emergência ou pelos operadores das câmeras de vigilância espalhadas pelas ruas da cidade, caso eles vejam algum incidente em seus monitores.

Os paramédicos da unidade ciclística se deslocam então para o local da ocorrência, devidamente equipados para levar adiante qualquer procedimento que não exija a remoção do paciente.

Cada equipe carrega um kit com um desfibrilador cardíaco portátil, monitor, pequenos tubos de oxigênios e de entonox (gás anestésico), roupas especiais para queimaduras, cânulas intravenosas para transfusão de sangue e aplicação de drogas, estetoscópio, medidor de pressão arterial, termômetro e kit para teste de glicose.

Já as biciletas, oficialmente consideradas veículos de emrgência, carregam os equipamentos em cestos à prova d´água, nas cores amarelas e com logos que as identificam como ambulância.

Além disso, os paramédicos ciclistas têm à mão lanternas azuis e sirenes para que possam chegar ao local da ocorrência o mais rápido possível.

Amantes do ciclismo

Os paramédicos e técnicos em emergência médica que trabalham na unidade foram recrutados junto ao serviço de ambulância de Kings Lynn.

A idéia partiu de Carl Smith, chefe da unidade, que apresentou o projeto a um de seus gerentes e convidou colegas do setor para compor o time.

Inicialmente, quatro paramédicos se inscreveram e passaram por testes físicos e treinamento em Kings Lynn e em Londres.

Hoje, o time cresceu, mas mantém o mesmo perfil: profissionais do setor de emergência, com cinco a 23 anos de experiência.

E além de bem treinados e de um profundo desejo de salvar vidas, eles mantêm em comum a paixão por suas bicicletas.

Veja abaixo o vídeo da Public Safety Cycling, uma organização sem fins lucrativos da Ingaterra que treina policiais, socorristas e bombeiros para o uso da bicicleta em serviços de emergência.

Anúncios
Posted in: Saúde